sexta-feira, fevereiro 05, 2016

Causa Nobre

Então, o papa.
Comé que pode a pessoa falar do papa na sexta feira de carnaval?
Sei lá.
Tava pensando.
Vi uma notícia que o papa recebeu quatro ex-prostitutas e as animou a superar traumas de abusos.
A prostituição é sempre algo "a ser superado".
Reconhecer como profissão e assegurar direitos é sonho defendido por poucos corajosos.
O papa, por exemplo prefere enfrentar o poder do dinheiro e reformar o Banco do Vaticano a apoiar a causa da prostituição como profissão. Porque coragem tem seus limites.
Mas arrisco a divagar sobre o tema na esfera bíblica.
Não vamos no exemplo óbvio da Maria Madalena abraçada aos pés de Jesus, na cruz e o Nazareno suspirando: "Hoje não, Madalena, que eu tô pregado!" que isso já tá batido e vai ter sempre quem conteste as intenções do filho de deus. Apesar de que eu duvi-de-o-dó que uma mulher lave seus pés, enxugue com os cabelos e o negócio pare aí, mas deixa pra lá.
Tava aqui pensando no nome que o papa escolheu e a extensão do seu significado.
Desde o conclave, o papa tem dado bons exemplos franciscanos. Mas ainda acho que ele não se deu conta que ao escolher São Francisco como causa e exemplo ele, imediatamente, se tornou o símbolo, o slogan e a palavra de ordem da mais antiga (e nobre) das profissões.
Papa Francisco poderia dar-se conta da harmonia entre causa e patrono e abraçar de vez a causa das prostitutas em busca de reconhecimento e respeito na profissão.
Afinal, quando São Francisco disse "É dando que se recebe" vocês acham que ele tava falando do que?