quarta-feira, fevereiro 03, 2010

João Paulo II e a autoflagelação

"Segundo a vertente mais mística do catolicismo o sofrimento corporal é visto como uma prova de aproximação do fiel ao martírio de Jesus Cristo"

Li isso numa revista semanal e pergunto: o que pensar sobre o assunto?
Considerando que o catolicismo acredita ser JC o filho de Deus, querer se aproximar dele em sofrimento é querer parecer JC. Querer parecer é querer ser. Então, em última análise, este autoflagelo é uma refinada forma de soberba.

Uma forma de soberba disfarçada em dor e sacrifício. Eu me penitencio. Eu me machuco. E provoco a minha própria dor e sou perfeitamente capaz de suportá-la. Tão capaz quanto foi JC. Sou, portanto igual a ele. Por conseguinte, melhor que vocês todos.

A figura do Papa é a infalível representação de Deus na terra perante os católicos. João Paulo II granjeou posto melhor. Tentou ser JC. Não deu certo. O máximo que conseguirá será reforçar o politeísmo velado de uma religião que prega ter um único deus e lança um santo por ano.

5 comentários:

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...

Oi Suzi,
Nas minhas férias li seu blog, e adorei.
Imagine João II com aquela carinha de santo, se autoflagelava. O que deve fazer o atual Bento 16 heim? dá até calafrios só de pensar.
abração
madoka
ps e como foi a exposição em SP?

Suzi disse...

Madoka, a feira em sampa teve problemas por causa as chuvas. Obrigada pela visita!
beijos!

Ana Paula disse...

Ah, suzi, eu te amo. Pra variar, vc tá cheia de razão. Dá a mãozinha aqui.

xoogle disse...

O capeta quis ser igual a Deus

Jesus é Deus

O Papa quis ser igual a Jesus

O Papa é igual ao capeta

:-/

Ivan.