sábado, outubro 17, 2009

Sem saco!

Decidiram que hoje seria o tal do dia sem sacola. Eu digo que meus dias são completamente sem saco pra essa campanha.
Por partes, né Jack?

Primeiro: Sim, eu tenho sacolas de pano e sim eu as uso para compras.
Mas a campanha que eu vejo acontecer, pior, que eu vejo as pessoas pregando com energia fanática é uma campanha ausente de qualquer critério básico de bom senso.
É como se a pessoa que está acondicionando suas compras em sacolas plásticas no supermercado fosse um vilão bárbaro indiferente à destruição do planeta.
Digo que tudo, tudo mesmo, deve passar pelo filtro do bom senso e essa prática não poderia ser diferente.

Eu acondiciono minhas compras de supermercado, em sua maioria, em sacos plásticos.
E esses sacos plásticos são usados como sacos de lixo na minha cozinha e banheiros.
Uso cerca de 3 sacos de lixo por dia, que se usasse sacos específicos de lixo seriam de um plástico muito mais grosso que as sacolinhas e, acredito, de tempo igual ou superior de decomposição.

Portanto, eu diminuo o consumo e a circulação de material plástico no ambiente usando as sacolinhas para lixo.

Essa aceitação das sacolinhas também possui critérios. Quando vou ao comércio de armarinhos e pequenas peças, matéria prima para o Ateliê, uso as minhas bolsas de pano que são enormes e confortáveis. Nelas eu acondiciono todas as compras pequenas e quando a compra é de pedras acrílicas, por exemplo, que é um material pesado, eu uso uma mala de rodinhas.

Na padaria, por exemplo, não é necessario o saco plástico uma vez que os pães já vêm acondicionados em sacolas de papel.
Na locadora de vídeo, igual. Pra que a sacolinha?
Na farmácia? Mesma coisa.
Sacolinhas minúsculas acondicionando pequenas coisas são completamente dispensáveis.

Acredito sim na criação do hábito em diminuir o uso das sacolas e passarmos a restringi-las ao estritamente necessário.
Paralelo a isso, poderíamos adotar como obrigatório o uso das sacolas biodegradáveis, que já existem no mercado. Eu uso no Ateliê e elas são cerca de 20% mais caras que as normais, ou seja, é perfeitamente possivel usá-las no mercado.
Além disso, a prática já utilizada mundo afora de cobrar por cada sacolinha é salutar. Pagando por elas, usaremos com maior parcimônia.

Como pode ver, eu não sou contra a campanha em si, eu só acho que muitas pessoas estão se utilizando dessa campanha como forma cômoda de desfilar arrogância carregando uma sacola de pano (caríssima, às vezes) por aí somente pra fazer a linha fina e superior.
Muita gente que faz isso não separa o lixo, não reutiliza potes de vidro e imprime toneladas de textos inúteis.
Entregar as embalagens de ovos ao tiozinho que vende ovos a granel na feira de rua, encher o porta malas do carro de vidro, papéis e revistas velhas pra entregar ao primeiro menino com carrocinha de recicláveis na rua, procurar o local de desova de pilhas e baterias na sua cidade (na minha tem nos ônibus e nos correios, que eu saiba. Deve haver outros.) são algumas das muitas práticas simples de reciclagem direta possíveis de serem adotadas por qualquer um em seu dia a dia, sem pregação alguma.

Sem falar que o descarte de material plástico na rua, parques, comércio e áreas públicas em geral é falta de educação pura e simples, na mais elementar de suas manifestações. Jogar lixo no chão, plástico ou não, isso sim define o crápula.

Portanto o uso de sacolas plásticas não é uma prática funesta a ser rejeitada e criticada por si só.
O equilíbrio entre real utilização e responsabilidade no descarte e destino para reciclagem é a linha divisória entre consciência e palanque barato. E eu não tenho mais idade pra isso!

6 comentários:

xoogle disse...

Meu bem, meu bem... que coisa mais coerente. Rabugisse diferenciada é tudo de bom.

Meu bem, no Banco Real também pode jogar pilhas e baterias.

E meu bem, se você nao tem idade pra isso, pra que tem?

;-)

Ivan

Ana Paula disse...

Aaahhh, eu postei sobre o assunto. Não exatamente sobre a campanha, mas na minha série sobre a viagem ao Canadá, porque isso é uma prática por lá que eu achei legal.
Concordo contigo completamente. Consciência, bom senso, e humildade. Só isso já faria tudo ficar bem melhor.
bjks

Odessa Valadares disse...

Concordo plenamente, Suzi! De fato, eu te enviei o email, mas todas as suas embalagens são recicláveis. Eu uso sacolas recicláveis, mas aqui também entram sacolas plásticas. Meu lixo é pouco e eu procuro produzir o mínimo possível de resíduos. Uma vez que na minha cidade não há reciclagem, só separo o lixo orgânico para fazer compostagem, mas já alguma coisa. E nem tenho impressora, pra não ter a tentação de ficar imprimindo textos desnecessariamente. Não é melhor que tirar apenas um dia pra ser certinho?

valeriaterena disse...

Me mudei, e já voltei, há 7 anos pro interior (São Carlos). Como morava só minhas compras eram pequenas e me habituei a usar uma sacola pequena nas compras de supermercado. Aliás uma sacola linda, azul com aplicações de tecido formando flores. Numa época em que isso ainda não era nem falado. Só pra compras grandes eu usava os saquinhos do supermercado.

Até hj faço isso.

Como uso bolsa grande, coisas pequenas dispenso o saco plástico, até pq sacolinhas pequenas são quase sempre inúteis depois.

Pra quem é advogado (ou trabalha no centro de SP) a AASP tem na entrada de sua sede um recipiente para recolher pilhas e baterias usadas.

rosa disse...

olhe, faz tempo que eu procurava alguém que explicasse com paciência e educação o uso responsável das sacolas de plástico.
obrigada viu?
porque eu mesma já cansei de explicar com ironia e sempaciência e ninguém ouve...

Fal disse...

sem falar que patrulha, qualquer uma, é um pé no saco e um pontapé na bunda, pqp. na falta do que fazer, pede pro pessoal passar aqui e levar baco pra passear, tirar pó de livro, tem serviço que não acaba mais.
te amo, suzi. especialmente pq vc é phina.