segunda-feira, junho 30, 2008

domingo, junho 29, 2008

Babá eletrônica

Por vários motivos deixer de assistir televisão. Há anos assisto apenas filmes. Nenhum motivo especial. Circunstâncias apenas.
Mas estou dormindo no quarto da Xu ultimamente, (outra história, outro post), e ela assiste a novela antes de dormir e estou assistindo junto por tabela. E observo o seguinte:
O reinado de Hans Donner acabou?
Ele era o cara que fazia as aberturas de novelas e programas da Globo e o Hugo, um bebê na época, era o maior fã do cara. Abertura do Fantástico e da novela Tieta eram suas preferidas. Uma trégua. Ele engatinhava e nao parava quieto. Eu aproveitava que ele ficava quietinho vendo as aberturas inclusive pra trocar suas fraldas, limpar sua orelha, cortar suas unhas. Me lembro de várias vezes ter ficado com o cortador de unhas na mão, esperando o momento da musiquinha da abertura do Fantástico (que era aquela das dançarinas saindo da agua) pra cortar suas unhas. Ele ficava sentadinho, com a mão molinha, embasbacado.
Hans Donner me ajudou a criar o moleque. Não vi seu nome na abertura da novela atual.
Por onde andará?

quarta-feira, junho 25, 2008

Azuis


Depois de ver esta foto no site da Ana Ventura, me apaixonei ainda mais pelo Marrocos.

terça-feira, junho 24, 2008

Fazendo arte




Linha Bebê.
Cuti cuti pra quem gosta e precisa.

sexta-feira, junho 20, 2008

Lar Doce Lar

Num dia friozinho e ensolarado uma comidinha caseira e quentinha.
Sim, o prato é fundo de propósito pois adoooorraaamos feijão.
Arroz e feijão fresquinhos, músculo na panela com molho de alecrim e salada de tomate com manjeiricão. De comer gemendo.
Faço coleção de vidrinhos e botar uma florzinha dentro é uma breguice da qual não abro mão.

domingo, junho 15, 2008

Ócio (óócciooo???) criativo



Novidades aqui.
Vejam o que ando fazendo nas chamadas horas vagas.

sexta-feira, junho 06, 2008

Ahhhh...aquele suco fresquinho....


Cobiço demais o cargo de Papa.

Imagine governar em regime vitalício, um país riquíssimo e minúsculo, sem oposição ostensiva (por debaixo dos pano deve haver, né?), na Itália, numa sede de governo projetada por Michelângelo, com acervo de arte de fazer o Louvre babar, biblioteca invejada no mundo inteiro, e sem problemas de saneamento básico, favelas, inflação, saliência de senadores e dólares na cueca. Aquilo tudo se toca sozinho e o Papa só trata de assuntos de grandeza maior, como fechar o limbo e inventar pecados novos.

Mas o que me tange a alma, toca fundo no peito e me encolhe a unha do pé de tanta cobiça é imaginar a mesa de café da manhã do Papa. Já imaginou?