quarta-feira, novembro 01, 2006

Certas coisas não mudam jamais... ou... Testosterona: o elemento que guia os povos e determina o destino da humanidade

César Bórgia preparou-se a vida toda para comandar o exército do pai, papa Alexandre VI. O pai sempre preferiu o filho Juan.
César era um dos homens mais cultos de sua época e Juan um bom vivant? Tudo bem, César engolia.
César era um estrategista e Juan mau e soberbo? Ok...
César virou o jogo numa esperta e oportuna manobra contra o Rei da França e Juan ganhou por isso o posto de General? No problem...
Juan conduziu as tropas de forma desastrada e perdeu parte dos domínios papais e mesmo assim foi recebido pelo pai com honras e jóias? Tudo certo...
César só sentiu o gosto amargo do ódio na boca a lhe sufocar a garganta e embaralhar a vista quando sua amante, na real sua cunhada casada com o outro irmão Jofre (êta família animada sô!) o deixou sem maiores explicações e César descobriu que ela era amante também de Juan.
Ah.. isso também é demais!!!

Homens.... humpf!

2 comentários:

eduardo lima disse...

É a tal lei do filho pródigo. E Lucrécia quando aparece nessa história?

Suzi disse...

Tá lá Edu, tá lá... o fato é que Cesar nao disputava esta paixao com Juan...