terça-feira, maio 24, 2016

Pregação

Onde termina a discussão de ideias e começa a pregação?
Pregar - significado: Abordar, comentar um assunto por sermão, pronunciar um sermão, fazer a divulgação de, alardear, passar ensinamentos, fazer acreditar.
Pregação é marketing.
É a forma de se vender uma ideia, enfiá-la goela abaixo de seu interlocutor.
Pois quem se dispõe a pregar não está interessado em ouvir. O pregador se acredita superior e onipotente e não há disposição à troca.
A pregação não convive com nenhum tipo de diversidade, ela só aceita a conversão.
Querendo converter ela se acredita superior, portanto impermeável à argumentos.
Discutir ideias não converge obrigatoriamente ao consenso geral.
A pregação necessita de subjugação.
Propagar diferentes meios de vida e formas diversas de pensamento são veículos essenciais na busca por interlocução, afirmação social e identificação dos grupos.
Pregar é usar o seu parâmetro como arma para construção de hegemonia.
Portanto, discordar e oferecer antítese é o caminho para o crescimento.
Repetir dogmas visando obediência é nocivo à liberdade e conduz à dominação.
Nessa guerra eu escolho ouvir todo tipo de argumento e pensar sobre o alcance do seu significado mas nego ao pregador qualquer tipo de palanque.

sexta-feira, fevereiro 05, 2016

Causa Nobre

Então, o papa.
Comé que pode a pessoa falar do papa na sexta feira de carnaval?
Sei lá.
Tava pensando.
Vi uma notícia que o papa recebeu quatro ex-prostitutas e as animou a superar traumas de abusos.
A prostituição é sempre algo "a ser superado".
Reconhecer como profissão e assegurar direitos é sonho defendido por poucos corajosos.
O papa, por exemplo prefere enfrentar o poder do dinheiro e reformar o Banco do Vaticano a apoiar a causa da prostituição como profissão. Porque coragem tem seus limites.
Mas arrisco a divagar sobre o tema na esfera bíblica.
Não vamos no exemplo óbvio da Maria Madalena abraçada aos pés de Jesus, na cruz e o Nazareno suspirando: "Hoje não, Madalena, que eu tô pregado!" que isso já tá batido e vai ter sempre quem conteste as intenções do filho de deus. Apesar de que eu duvi-de-o-dó que uma mulher lave seus pés, enxugue com os cabelos e o negócio pare aí, mas deixa pra lá.
Tava aqui pensando no nome que o papa escolheu e a extensão do seu significado.
Desde o conclave, o papa tem dado bons exemplos franciscanos. Mas ainda acho que ele não se deu conta que ao escolher São Francisco como causa e exemplo ele, imediatamente, se tornou o símbolo, o slogan e a palavra de ordem da mais antiga (e nobre) das profissões.
Papa Francisco poderia dar-se conta da harmonia entre causa e patrono e abraçar de vez a causa das prostitutas em busca de reconhecimento e respeito na profissão.
Afinal, quando São Francisco disse "É dando que se recebe" vocês acham que ele tava falando do que?

sábado, outubro 17, 2015

Te deixar ir é difícil.
Mesmo sabendo que você não precisa da minha permissão.

domingo, outubro 11, 2015

Lista de perdas

Só empresto livro pra umas pouquíssimas pessoas. Todas ao meu redor e sob rígido controle.
Isso não impede de sumir uns livros, de vez em quando.
Quando sumiram, eu não sei. Mas geralmente me dou conta ao falar de um livro com alguém, ir buscá-lo e cadê?
Livros que não me devolveram no tempo que eu emprestava são muitos mas não estão nessa lista. Esses eu não sei que fim levaram.
A lista:
- Navegação de Cabotagem - Jorge Amado - esse doeu. Todos que me conhecem sabem do meu amor por Jorge e Zélia e o sumiço desse livro é um golpe.
- A Arte de Roubar Galinhas - João Ubaldo Ribeiro - uma coletânea deliciosa de crônicas do meu marido Ubaldo em Itaparica
- A Menina que roubava Livros - pelo jeito  não é bom agouro ter a palavra "roubo"no título, né?
- Amor Natural - Carlos Drummond de Andrade - poemas eróticos do Drummond
- Bagagem  de Adélia Prado - livro que me salvou de diferentes maneiras.
Uma pequena coleção de 3 livos que tinha:
- Elogio da Loucura - Erasmo de Roterdão
- Decamerão - Boccaccio
- Dom Quixote- Cervantes
- Anel de Noivado - Danielle Steel  - adoooorro as bobagens de Danielle Steel e esse livro me acompanhava desde os 12 anos.
- O Livreiro de Cabul - sumiu.
Cada perda uma dor.


segunda-feira, setembro 28, 2015

Onde?

Há o começo, o fim e aquele lugar.
Lugar para onde mandamos o que vamos resolver um dia, o que vamos fazer quando tivermos tempo, quem vamos encontrar quando o riso for de novo possível.
É lá também o lugar onde colocamos, com imenso cuidado ou no total desajeito, as pessoas que amamos mas que não temos a menor condição de manter.
Amor demanda cuidado, dedicação, tempo, disponibilidade e troca. Ou seja, um luxo para bem poucos de nós.
As pessoas não ficarão à nossa espera, é fato.
Tampouco existem garantias de que um dia chegaremos a esse lugar.
Mas gostamos de pensar que ele existe, nem que seja em forma de janela por onde enxergamos as pessoas amadas exercendo a vida de forma plena.
E ficar feliz com isso também é uma boa forma de viver.

quinta-feira, setembro 17, 2015

Levantar da cama já é uma vitória quando acordar não fazia parte das suas previsões otimistas.

sexta-feira, julho 10, 2015

Tempo

Não é o tempo que muda as coisas.
O tempo só faz passar, numa sequência de horas ininterruptas.
O que acontece nesse passar de horas é que nos modifica.
Seríamos para sempre felizes, calmos e ingênuos se fosse possível permanecer à margem dos fatos.
Fatos, atos, consequências e afins nos atingem todas as manhãs, antes mesmo de abrirmos os olhos.
A cada acordar mudamos um tanto.
Gasto esforço na tentativa de me lembrar de quem já fui.
Sinto até saudade, mas já não me reconheço ali.
Pode até ser que um dia isso seja bom.



domingo, janeiro 25, 2015

Salud!

Tem coisas que você não pode dizer nem que a raiva lhe estufe as veias. Principalmente quando a raiva lhe estufa as veias, você não pode dizer.
Mesmo que você tenha razão, mesmo que esteja certo.
Se o que você tem a dizer destrói quem vai ouvir, não diga.
Engula a frase com um bom gole de vinho e brinde ao seu ingresso no mundo dos adultos.

domingo, outubro 06, 2013

Vida

É triste quando você começa a economizar informação, medir palavras, fingir desconhecimento pra não revelar tudo o que sabe sobre aquele assunto pois do contrário o espanto gerado vai te ferir tanto, tanto.

Pontinhos

Antes de criticar que a pessoa é arisca, com mecanismos de defesa em alerta constante, ligue os pontos.
Defesa pressupõe ataque.

domingo, setembro 22, 2013

Confissão ainda que tardia.

Eu não comemoro meu aniversário.
Nada contra quem o faz e participo alegremente dos festejos de quem curte, mas eu prefiro que o meu seja ignorado.
Enquanto eu não estiver numa idade em que cada ano seja uma conquista ou que tenha vencido alguma doença grave, não vejo nada notável na data do meu nascimento que mereça uma comemoração.
Isso choca muita gente e não tem nada de baixo astral no fato.
Apenas não gosto e acho que já passei da idade de fazer o que detesto pra não melindrar outrem.

terça-feira, setembro 17, 2013

A vida feita à mão

A solicitação era: "10 coisas que eu aprendi e posso ensinar a respeito do trabalho de designer."

Em primeiro lugar, não tenho formação em design. Portanto, não sou designer.
Mas faço trabalho de criação e me autointitulo artesã.
Não farei aqui uma lista formal. Apenas algumas considerações levando em conta pontos que considero importantes que aprendi no processo.

- Em primeiro lugar uma frase que está na primeira página do meu site que considero o mantra de toda pessoa que trabalha com criação: "Não há criação sem acervo."
E quanto mais rico for o seu acervo, mais recursos você terá na hora de juntar os pontos e formar um novo produto. E a riqueza desse acervo está diretamente ligada à sua variedade e diversidade. Quanto mais amplo for seu leque de interesses maior facilidade você terá para criar.
Nessa busca de acervo não despreze nada. Desde as clássicas: cinema, teatro, televisão, leitura, arte até as mais específicas da sua área. Por exemplo: no meu caso, eu nunca desprezo uma visita a armarinhos, lojas de ferragens e afins. Olho o máximo de peças que posso, mesmo que não vá comprar todas elas. Aquelas informações ficarão registradas e num trabalho posterior de criação, meu leque de soluções será maior e saberei onde buscá-las.

- Cursos de técnicas específicas do seu trabalho são importantes. Cada produto tem formas de acabamento específicas, com produtos e peças próprias para cada fim e segredinhos valiosos que poupam tempo e trabalho. E a criação se dá a partir do pleno domínio da técnica. Portanto, durante o período de aprendizagem não se acanhe em copiar exatamente o modelo que está aprendendo. A parte criativa virá com o exercício do fazer.

- Tenha um canto especial para seu trabalho com as peças de montagem em exposição. Para ganhar espaço, guarde seu estoque em caixas mas deixe pequenos potinhos com um pouquinho de cada à sua vista. O processo criativo é muito visual e vc precisa checar o que tem constantemente.

- Não se esqueça que seu trabalho se destina à venda e é importante estar ligado no que acontece no meio. Se seu produto é acessório, fique por dentro do que rola na moda, pois, fatalmente, essa informação influenciará, inclusive, o comércio de peças de montagem do seu produto e por mais criativo seja o seu trabalho, ele precisa ter um elo com o que acontece na moda, como cores, dimensões, etc.

- Observe. Mais que vitrines, observe o que as pessoas usam. Uma vitrine é uma promessa de venda e as pessoas que usam já compraram. Ao ver uma pessoa usando uma peça no estilo da que você produz faça uma rápida análise de sua condição sócio-cultural pra classificar corretamente o seu produto no mercado. Quem é a pessoa que usa meu produto? Essa informação é valiosa pra tomada de várias decisões de mercado.

- Mecanismos de venda. A internet é uma maravilha mas só ela não basta. Existem eventos que ampliam e complementam sua carteira de clientes e que te colocam em contato pessoal e direto com o cliente que permite pesquisas valiosas de reação ao seu trabalho: feiras, bazares, etc.

E lembre-se: não é hobby nem terapia. É trabalho e como tal tem seu osso. Fazer a vida à mão não é fácil. Mas pode ser muito prazeroso.
Boa Sorte!



sexta-feira, agosto 09, 2013

Pausa

Você não pode fraquejar.
Não deve desistir.
Não dá pra parar.
Não tem tempo pra perder.
Mas hoje, só hoje, o tempo que espere.
Vou encher os copos, pensar a vida e tentar respirar.
Só hoje.

sábado, agosto 03, 2013

A fina

Visitando casas.
Trajando minha calça estampa anos 70, camisa branca e trico mole por cima. E tênis. E bolsa de tecido.
Na sala da casa uma geladeira vermelha.
O corretor avisa:
- A geladeira não fica na casa.
Olho pra ele, que completa:
- É que pelos seus trajes a senhora adora uma coisa velha.
Minha vida.

domingo, julho 07, 2013

Caminhando

Meu nome é angústia. Mas não é todo dia. Tem dia que é puro desespero.

quinta-feira, junho 06, 2013

Nomeando

A todas as qualidades que puder me atribuir, e todos sabemos que são muito poucas, preceda a palavra supostamente. Exatidão de caráter é o nome disso.

domingo, abril 07, 2013

Feliciano é mais honesto que Marina Silva

Admito que a palavra coerente seja mais adequada que honesto, mas não resisti à provocação.
Feliciano já demonstrou toda a abjeção de seu caráter em palavra escrita, declamada e cantada e dele todos sabemos o que esperar.
Já Marina Silva prefere posar de Suiça Comportamental toda vez que é argüida sobre questões como aborto e casamento gay.
Todos sabemos de sua fé, direito fundamental e privado, e a pergunta nunca é sobre sua opinião pessoal. Quem se propõe a um cargo executivo deve saber, e imagino que ela saiba, que suas opiniões pessoais não devem pautar suas decisões num governo democrático. Sendo assim, o interesse contido nas perguntas é de ordem pública e não privada.
Entretanto, em mais de uma ocasião, vi Marina Silva dizer que vai "consultar a sociedade" sobre essas questões.
Esse é um posicionamento canalha e covarde por vários motivos.
Primeiro, que nós já sabemos o que a maioria pensa e governo democrático é diferente de governo da maioria. Governo democrático é eleito pela maioria para defender direitos de todos. Inclusive das minorias.
Portanto, outorgar a uma consulta à sociedade a responsabilidade de decidir sobre questões individuais é covarde.
Segundo, que nas questões de aborto e casamento gay, a legalização de cada uma dessas matérias não atinge de maneira nenhuma o direito, as convicções pessoais e a moral de quem é contra. A legalização não torna o aborto obrigatório. Nem o casamento gay. Quem é contra exerce seu direito democrático de sê-lo hoje e continuará exercendo esse  mesmo direito quando forem legalizados não praticando nenhum dos dois.
O contrário não acontece.
Quem é a favor ao direito ao aborto e ao casamento gay tem hoje seu direito cerceado por convicções alheias.
Por isso afirmo que essa posição de Marina Silva, se exercendo o poder em cargo executivo, de transferir o ônus da responsabilidade sobre essas questões a uma decisão popular da qual ela já sabe o resultado é mais que covarde. É canalha.

domingo, março 03, 2013

Correio elegante

Vera e Fer, delícia vcs por aqui.
Deh, que dizer das trilhas a não ser que a jukebox do Taranta está entre os meus objetos de desejo TOP5 ?
Roubava fácil!

sexta-feira, março 01, 2013

Objetivamente

As pessoas me perguntam se torço pelo filme ou pelo Tarantino. Se meu voto e minha torcida são incondicionalmente direcionados, não importando quais os filmes concorrentes.
A resposta é não.
Dado o meu comportamento frenético, pra dizer o mínimo, em relação a Bastardos Inglórios e Django, entendo a dificuldade em acreditar na minha objetividade.
Ocorre que Tarantino está amadurecendo sua arte. Aguardo com imensa expectativa e acompanho com imenso prazer as suas produções mais recentes. Bastardos Inglórios e Django, hoje, são o ponto máximo de qualidade de sua obra.
Claro que reconheço, aprecio e admiro a genialidade e delícia de Cães de Aluguel e Pulp Fiction. Mas tem ali a ânsia do discurso, o frio na barriga e o talento represado de um gênio que tem muito a dizer e a mostrar e apenas duas horas pra isso.
A partir de Kill Bill ele está solto. Brinca com suas referências, mistura veículos e linguagens e costura sua história com linhas de todas as cores. E, principalmente, sabe que já chegou lá e este lugar já conquistado permite que ele conte quantas histórias ainda quiser, da forma que imaginar.
Se os irmãos Coen são o Rembrandt do cinema, Tarantino é Pollock. Nada é contido. Tudo é exagero, cor, sangue, personagens bizarros e todas as músicas do mundo misturados de tal forma que só a sua condução precisa permite que esse emaranhado de cores formem a delícia de um filme como Django, por exemplo.
Respondendo a outra pergunta, não, eu não acho que todos os filmes de Tarantino mereçam ser premiados.
Jackie Brown, por exemplo, eu gosto, me divirto, mas reconheço que não é filme que possa pretender premiação. Curiosamente é o único roteiro adaptado.
Existem critérios objetivos sob os quais os filmes podem ser avaliados.
Um filme é uma forma de se contar uma história. Partindo desse ponto, uma boa história é pressuposto básico essencial para um bom filme. A academia e o mundo reconhecem que Tarantino conta uma história como poucos. Seu roteiro é premiado e aclamado.
Outro critério objetivo para se julgar um filme são seus personagens. Além de usar muito bem figurinhas fáceis de Hollywood, Tarantino ressucita do ostracismo atores que viram deuses em papéis memoráveis em seus filmes, descobre preciosidades européias como o eterno coronel Landa, já premiado com dois Oscars e cria tipos tão improváveis quanto inesquecíveis como um escravo que vira cowboy e sai em busca de sua amada de parceria com um alemão, encarnando uma lenda germânica em pleno Mississipi.
Diálogos e apresentação de personagens é o que dá ritmo e sabor a um filme. Além de personalizá-lo. É só pensar o quanto determinadas falas contribuíram para eternizar centenas de filmes e quantos atores são lembrados por seus personagens. E do Tarantino é sua arte maior.
Trilha sonora é outro critério que não pode ser desprezado. Ninguém ainda compôs uma trilha sonora para o Tarantino. Ele atua como um DJ maluco juntando todos os sons e ritmos numa farofa criativa que explode na tela conduzindo a cena de maneira inimaginável.
Agora junte todos os critérios acima e aplique a cada filme que concorreu ao Oscar desse ano, inclusive e principalmente ao que ganhou.
Muito bem.
Atente  também para o fato de que Quentin, o Tarantino sequer foi indicado como diretor.
Daí, me respondam: é ou não é motivo pra ficar puta???!!!




sexta-feira, novembro 02, 2012

Dando as caras

Amores,passar por aqui está cada vez mais complicado. Esse é um ano sabático do blog. Até janeiro virei aqui muito pouco por causa da feira que estou preparando. Vocês me encontram diariamente no Facebook da Brigite,se for o caso. https://www.facebook.com/brigite.acessorios beijos! Suzi

sábado, junho 02, 2012

Mania de você

Tenho manias. Muitas. Algumas: - Não cozinho com louça suja. Primeiro lavo, seco e organizo tudo pra depois começar a cozinhar. - Quando dirijo, ao parar no sinal fechado, checo se o carro está engatado pelo menos 3 vezes. - Saio sem celular e sem batom na bolsa. Sem pente, jamais. - Quando estudo, redijo em um caderno da seguinte forma: citações em caneta e observações pessoais (minhas) a lápis. E a foto abaixo é pra provar que minha ausência daqui é justificada. Já foi na Brigite hoje?

quinta-feira, maio 31, 2012

Em gotas

É muito bom voltar a ver um caminho quando você achava que não havia mais perspectiva. ------------------------------- Tomei um nojo tão forte pelos mecanismos de motivação corporativa que consigo identificar de longe a frase se formando. E fujo pras montanhas. -------------------------------- Perdão não existe. O máximo possível, quando a convivência é necessária, é um "deixa pra lá". -------------------------------- Cada um faz e age de acordo com o que sabe. Isso ajuda a explicar a quantidade absurda de gente cretina no mundo. -------------------------------- 14 horas de trabalho corrido ontem. 10 na média essa semana. Isso não é uma queixa.

quarta-feira, abril 11, 2012

Eu pontuo, tu pontuas...

A vida é maior que a gente, sabemos disso. Mas tem dias que ela bate muito forte. Não precisava.
....
Fazer as coisas à pé ajuda a conhecer o bairro. Já identifiquei uma sapataria, uma frutaria e uma loja de produtos para dietas especiais que eu não conhecia. E todas pertinho de casa.
....
Já falei o que acho sobre as sacolas plásticas aqui no blog. O que continuo observando é a nossa tentativa cada vez mais desesperada de aprovação geral. Queremos que o politicamente correto nos alcance, que a simpatia geral nos aprove e que o mundo todo acredite que nos preocupamos com o bem da humanidade em geral e das baleias em particular. Mais idiota impossível. Ninguém se importa com TODO mundo. O nome disso é demagogia.
Mas a oportunidade de demonstrar publicamente a nossa superioridade moral, portando uma sacola retornável é irresistível. Mas até a pose melhor construída está sujeita a escorregadelas.
Na minha frente, na fila do supermercado, 11 da manhã, uma moça de salto 10, bolsa dourada de grife, sacola retornável de grife e rodando a baiana geral porque o menino que registrava as compras dela, portando uma camiseta que dizia "em treinamento"  tornava lento o processo pois tinha que consultar a tabela pra registrar as verduras e frutas que eram pesadas na hora.
Então, formô. Funciona assim: eu zero karma reciclando lixo e portanto não preciso participar nem minimamente de droga de processo de inclusão social nenhum. Eu quero "salvar o planeta", o bem da humanidade, a evolução social e cultural do mundo e o escambau desde que o meu tempo na fila não seja prejudicado. Afinal, essa sacola linda e cara que eu tenho nos ombros já sinaliza meu lugar no mundo. E ele é infinitamente superior aos demais.
Fofo, né?

domingo, março 18, 2012

Pontuando

Fui contar um sonho que tive, nunca sonho aliás, e mandei:
- A humanidade...
- Mas mãe, péra, teu sonho começa com "a humanidade"?
Pronto. Freud deu ca testa na tampa do caixão.
....
Algo está errado quando a pessoa pensa em deixar um rolo de fita adesiva na sala pra ter com que amordaçar um ladrão invasor até que a polícia chegue.
....
Esse friozim que tá fazendo é a glória. Mantenha, please.

sábado, março 17, 2012

Hoje é domingo.


Decidi que hoje é domingo. Comidinhas, livro novo, revista nova, e computador no colo. Tudo isso debaixo das cobertas e em frente à Tv.
....
Ontem foi meu aniversário. Eu fico muito na moita nesse dia pois não vejo muito sentido em comemorar a passagem do tempo pura e simplesmente. Nada contra.Não tenho nenhuma teoria elaborada sobre isso, nenhum problema com envelhecer, mas acho que verei sentido em festejar quando passar dos 95 e cada ano for uma vitória particular. Acontece que esse meu comportamento blasé em relação à data tem gerado espanto em algumas pessoas e gerado algumas situações interessantes.
Mas nada é mais lindo que encontrar uma mensagem como essa na sua página do FB:

Mãe. Não dormi ainda, então ainda está valendo! Parabéns!!
Desculpe não ter ligado antes...mas não suporto o Pedro me lembrando que hoje é o seu aniversário. Parece que eu te liguei pq ele me pediu que o fizesse...
O que eu queria te dizer, é que não importa o quanto tempo passe. Não importa o quanto meu cabelo caia. Não importa se eu já tiver filhos, ou não. Eu sempre estarei contigo. Conciente de que sou seu reflexo, e não tenho nenhum problema com isso. Muito pelo contrário.
Sempre estarei contigo, te seguindo. Seja na vida real ou no mundo dos sonhos, num apocalipse zumbi procurando pelo Hugo.
Te amo, baixinha. Fim de semana que vem estou aí. E aí sim vou poder te dar o abraço que queria te dar no dia de hoje, que não tem telefonema ou mensagem no mundo que substitua.
Bij!
 
Mensagem do Tiago. Uma das 3 maravilhas absolutas da minha vida.

sábado, janeiro 07, 2012

Pontuando

Preguiça de explicar. E cada vez me pedem maiores explicações. Então eu só confirmo. Seja lá o que for.
...
Um  ano acabou e outro começou. Entre uma coisa e outra, apenas uma noite bem dormida. Então, pra que tanta firula?
...
Não prometo nada pra 2012
...
Dor nas costas e tendinite. Travada, no postinho de saúde do SUS, o médico - aquele pândego:
- Você precisa de férias.
- O Sr. recomenda Toscana ou Grécia?
Ele olha incrédulo:
- Tá de brincadeira?
- Foi  Sr. quem começou.
...
Você dá de presente aquilo que o outro gosta, não aquilo que você acha que ele deveria gostar.
...
Se você não curtiu o presente recebido, troque ou jogue fora. Não passe adiante. A possibilidade de dar confusão ou do outro também detestar ou as duas coisas juntas, é grande.

quarta-feira, dezembro 07, 2011

Tudo de bom

Não sou de grandes gestos, arroubos heróicos nem há em toda a minha vida um único feito notável.
Acredito, pelo contrário, na importância dos pequenos gestos, na riqueza dos detalhes e no frescor das pequenas alegrias.
Talvez por isso não acredite em felicidade. Mas trabalho diariamente na construção de dias felizes.
Comprar flores na banca de rua, pra mim, é o fecho perfeito para uma linda manhã.
E ainda por cima ganhar um botão de rosa de brinde, foi a deliciosa cereja do bolo.
Se minha sincera intenção tiver algum efeito prático, o moço da banca será feliz para sempre, pois eu falei sério quando agradeci e disse: "Tudo de bom pra você."




domingo, outubro 09, 2011

Tijolo por tijolo.

A construção da nossa autoestima passa por muitos caminhos. Cada pessoa valida suas escolhas, acomoda seus muitos medos, atribui seus acertos a uma determinada parcela de sua personalidade onde o  chão lhe é um pouco mais firme que o resto do mundo.
Portanto, quando esse pedaço de chão sofre um abalo, toda sua vida está em cheque.
Acomodar  tudo novamente, voltar a confiar em si mesma, retomar caminhos interrompidos e corrigir as próprias falhas leva tempo, dor e silêncio.
Tudo é processo. E a retomada do fio demanda esforço diário além de uma dose extra de proporção e realidade.
Vai dar pé novamente. Mas por enquanto todo o esforço concentrado mantém apenas a narina fora dágua.
É o que tem pra hoje.

domingo, outubro 02, 2011

A última do sutiã.

Vi por alto que há uma polêmica no ar.
A polêmica é sobre a propaganda de lingerie da Gisele. Onde ela dá as notícias ao marido do jeito errado - com roupa - e do jeito certo - de lingerie.
A crítica acha a propaganda ofensiva às mulheres. Eu acho exagero. Tenho medo da ditadura do politicamente correto e considero essa uma das suas manifestações.
Não sou nenhuma beldade e mesmo assim a propaganda não me ofendeu nem um pouco. Achei divertida exatamente por lidar com a erotização de uma relação afetiva de uma maneira leve e marota.
Considerar a mulher um objeto de desejo não é ofensivo.  Desde que essa não seja uma limitação. Somos todas objeto de desejo e desejamos nossos(as) parceiros (as) da mesma forma, grazadeus!
O que complica é o rótulo, a limitação, o estereótipo.
Se sou gostosa não posso ser também inteligente?
Se sou gostosa e inteligente e escolho ser dona de casa, não pode?
Se não sou gostosa nem linda, não posso ter nem realizar fantasias?
Somos isso tudo aí, tudo junto e misturado.
E podemos exercer cada uma das nossas muitas possibilidades. Ou não.
Limitação é nociva quando vem do outro.
Decisão de ser isso ou não ser aquilo se chama escolha.
E não é uma moça linda fazendo charme pro marido, vestindo uma lingerie, que vai abalar nossas estruturas.
Isso faz de todas nós objetos sexuais?
Objetos sexuais nós já somos. E isso não é nenhuma tragédia. Porque somos isso e muito mais.

quarta-feira, agosto 10, 2011

Segredos Inconfessáveis que Toda Mãe Deve Ter ou Prato Cheio pra Doutorado em Psicanálise

- Quando lavo roupas dos meus filhos que moram fora e depois não sei o que é de quem, me sinto muito mal.
- Toda vez (toda vez MESMO) que o tempo esfria eu procuro mentalmente onde cada um está e se estão devidamente agasalhados.
- Toda vez que ouço uma ambulância eu repito pra mim mesma: "que nunca seja prum filho meu".
- Cada vez que vejo uma mãe com filhos pequenos catando papelão na rua e empurrando aquele carinho pesadíssimo (como acaba de acontecer) eu choro. Mas nesse caso eu sei porque. Só eu sei o quão tênue é a linha que me separa dela. E o choro é totalmente egoísta, pois não é por ela. É por mim.

segunda-feira, agosto 08, 2011

Pontuando

- O cara escreve um livro com (centenas) de parágrafos tipo esse:  "A Europa latina continua sendo uma cultura periférica, isolada pelo mundo turco muçulmano, que domina politicamente do Marrocos até o Egito, a Mesopotâmia, o império Mongol do Norte da Índia, os reinos mercantis de Málaga, até a ilha Mindanau nas Filipinas..." e NÃO BOTA MAPA???
To eu aqui, xingando e manuseando Atlas Históricos, perdendo um tempão da p*rra, pra localizar o mapa histórico correspondente e tentar memorizar visualmente exatamente o que ele está falando.
Agora me diz: custava por os mapas todos no livro? custava? O livro ficava até mais bonitinho, cheio de mapinha colorido e me poupava da estiva. C*raio.

- Informo que comecei dieta na sexta. E hoje, segunda, tô com a bicha dominada. Em dia. Bonito. Sexta feira eu me peso e digo quanto eu perdi. Se não perder nada eu mato um.

Deixa eu voltar pro tronco. Cabô o recreio.

terça-feira, julho 19, 2011

Novidades no site!

Sem tempo pra naaadaaaa!
Mas vai dar uma espiadinhas nas pulseiras, vai?
http://www.brigite.com.br/loja/catalog/category/view/s/pulseiras/id/13/?limit=40

sexta-feira, junho 10, 2011

Recomendo!!!!!

























Clique na imagem para ampliar.

Quer se salvar das trevas da ignorância? Mande email para fal.drops@gmail.com


De nada.

quarta-feira, junho 01, 2011

Pontuando


Gente, o frio tá danado, mas os dias lindos! Sol com frio é meu conceito de dia perfeito!

...

A Elegância do Afeto. Aqui: http://www.brigite.com.br/blog/?p=612

...

Por que é tão difícil definir um tema para o mestrado hein, povo?

...

Dead Line. Meu terror atual. Por isso, passar por aqui é assim: como quem furta.

bejos

sexta-feira, maio 20, 2011

quarta-feira, maio 18, 2011

Correio Elegante

Aninha, deixa de ser besta! O máximo que pode acontecer é eu deixar vc algumas horinhas na sala de espera, tá? Leamo.

Ju, o home é demais! Lamentei o fato de não ter levado papel pra anotações. Tive que chegar em casa e correr escrever o que lembrava. Claro que muita coisa me escapou. Fui tão besta que não levei livro pra autografar, olha que tonta? Mas entrei na fila do autógrafo mesmo assim e pedi com a maior cara de pau: "Ubaldo, eu quero um abraço!" Ele, fofo demais, me deu e eu ainda ganhei de quebra uma foto delícia!

Maguelo, meu amor! Que delícia tê-lo aqui!

Claudim, já que você está de barba feita, ok.

Madoka, acontece que você É da turma. bjs.

sábado, maio 14, 2011

Insuportavelmente!

É difícil quando a pessoa não tem exemplo de blog bom em casa, né? Tadinha de Maliu, gente. Mas aqui vc tem colo sempre, viu? Deixa a Fal pra lá. Ela tá com o coraçãozinho peludo de inveja.
....
Então. Todo mundo tomando banho e passando perfume pra entrar nesse blog.
Tô dando, inclusive, up grade nas amizades. Não posso me dar com qualquer um depois disso, meusamô.


João Ubaldo Ribeiro no Paiol Literário em Curitiba.

"Comer e procriar é muito pobre pra uma vida. Temos que desenvolver nossa sensibilidade."

"Quando fui professor, tive que fazer adequações seríssimas nas minhas expectativas para poder aprovar alguém"

"A obrigação de ler mata o gosto pela leitura. Acho horrorosas as perguntas que fazem sobre livros com intenção de ensinar a ler. Vou ver as perguntas que fazem sobre meus livros nos vestibulares e não acerto uma."

A beleza do livro está na imaginação. No livro, na frase "a princesa saiu da sua casa e encontrou o dragão" cada um imagina a sua casa, a sua princesa e o seu dragão. No cinema, por exemplo, será a mesma princesa, a mesma casa e o mesmo dragão pra todo mundo."

"Meus autores preferidos? Todos. Tenho preguiça de dizer os nomes."

"Cheque e prazo. As maiores fontes de inspiração de um escritor."

"Eu não planejo um livro. Eu sigo o personagem e escrevo tudo o que ele faz."

"No tempo da máquina de escrever eu produzia 3 páginas por dia. Com o computador, contamos em palavras. Virgínia Woolf produzia 1200. Conrad produzia 800. Eu posso dizer que produzo um Conrad por dia."

"Quando me veem no boteco com meus amigos escritores, as pessoas passam ao largo e imaginam a alta intelctualidade da conversa. Mal sabem elas que a gente tá dizendo: Quanto que aquele filho da puta te paga?"

Tem como não amar esse home, meu pai?

quinta-feira, abril 07, 2011

Pontuando

O mundo acabando, colar de encomenda pra ser feito, peça de sorteio pra ser escolhido, email em inglês a ser redigido, geladeira a ser descongelada, correio só encaminha no mesmo dia se postar até as 17 horas e eu paro tudo pra arrumar a caixa de fitas. Por cor e tamanho.
....
A tragédia do Realengo me fez chorar várias vezes hoje. Liguei pros moleques pra mandar beijos e abri um vinho pra tomar com a Xu. Por que eles estão bem e isso não é pouco.
...
Dia cheio. Campainha toca. Pessoal cristão, em dupla, determinado a salvar minha alma. Preciso de uma placa assim, urgente:

terça-feira, março 29, 2011

Mimos de Norah

O que fazer de lembrancinha de nascimento pra filhinha de uma cientista-de-passarinho que mora em Milão, casada com um italiano?
Conversando com a mãe por email, ficou decidido que seria cartõezinhos de papel semente de manjericão em envelopinhos coloridos.
Mãos à obra. Primeiro a confecção do papel:

Depois a escolha das cores dos envelopes:


Os adesivos criados pela Xu:

As florzinhas:


O papel semente no envelope:


Os envelopinhos todos alinhados, prontos pro vôo pra Milão!

Que a chegada de Norah seja tranquila e que o carinho desse mimo lhe abençôe, Alline!
Beijos meus e da Xu!
P.S. Este post deveria ter sido publicado do Blog da Brigite, mas por alguma urucubaca cósmica o wordpress não está subindo imagens hoje.

segunda-feira, março 21, 2011

Hoje eu sou Cidade de Deus


Quando Paulo Lins escreveu Cidade de Deus, num processo de pesquisa de estudo sociológico na comunidade onde nasceu, ele fez muito mais que relatar dia a dia da sua favela.

Ele abria em leques problemas sociais, angústias e anseios humanistas, conflitos entre diferentes classes sociais geograficamente próximas, a crueza de sentimentos e personagens marginais e sem saber inseria para sempre Cidade de Deus no contexto mundial.

A comitiva americana que decidiu incluir Cidade de Deus no roteiro da visita do Obama ao Brasil muito provavelmente não conhece Paulo Lins. Mas a política da sua decisão foi pautada por ele.

A busca pelo conhecimento, a tentativa de compreensão do mundo, a inquietação de Paulo Lins em entender e retratar o seu entorno, deu voz e identidade a uma parte esquecida do mundo. 
Essa voz foi ampliada de forma maravilhosa por Fernando Meirelles e os desdobramentos dessa história são consequências felizes de uma iniciativa autêntica e pessoal.

Num canto esquecido da Cidade Maravilhosa, promovido unicamente pela sede de fazer parte do mundo Paulo Lins cantou sua aldeia. E continua universal.

Adoro o Obama e sua família e não ignoro nem faço pouco do significado da sua visita. Mas depois de ver Cidade de Deus vestida de amarelo, cantando "Sou brasileiro, com muito orgulho..." e indagadas quanto  ao significado do gesto, senhorinhas responderem que gostariam que Obama soubesse que elas são felizes e que ele é muito bem vindo, declaro: Obama é o caralho! Meu nome é Paulo Lins, porra!